VOU PARA O CANADÁ. TORONTO É UMA CIDADE SEGURA?

"Vou para o Canadá, mas Toronto é uma cidade segura?"
Vista de Toronto à noite de cima de edifício – Foto Gisele Rego

Canso de ouvir nas redes quando fazem esta pergunta:  “Vou para o Canadá, mas Toronto é uma cidade segura?” Se alguém ousar a dar opinião já vem logo a turma do velho lugar-comum… “não tem lugar perfeito”. Acho engraçado essas confusões.

Primeiro, Canadá e paraíso não são mesmo sinônimos. Aliás, nenhum lugar é. Ninguém está perguntando isso. Não sei por que sempre vem alguém nas redes dizendo coisas como: “não reclamem do Canadá, não tem lugar perfeito!”, “não existe paraíso!”, para mim, são obviedades.

Pensando bem, acho que existe um lugar no mundo que eu poderia chamar de paraíso por pelo menos três meses: com muito sol, praia deserta, no Nordeste do Brasil. Mas, como disse, por três meses. Não sei como seria meu sentimento de paraíso depois deste tempo, logo, paraíso onde há nove meses de inverno, mais de 2 milhões de pessoas…é óbvio que não é, né? Entretanto, “segurança” é igual a “longe de multidão” em qualquer lugar do mundo. Se você for a um show aqui em Toronto, não dê mole. Pode ficar surpreso ao ter objetos roubados. Ah, não descuide da bike, ela também pode ser roubada.

“Nossa, quanto morador de rua! Acho que não me sinto mais seguro…”

Downtown em Toronto é onde você vai encontrar o maior número de loucos por metro quadrado e homeless na cidade e no street car, ficou chocado? Mundo real. Capitalismo gera coisas como… exclusão! Nos países desenvolvidos ou nos países em desenvolvimento. Porém com mais exclusão “alhures” do que aqui.

“Afinal, Toronto é uma cidade segura?”

Quem NUNCA andou na Praça da Luz em São Paulo, na Linha Amarela ou Vermelha do Rio, no centro de Recife, à noite, PODE ficar com medo de meia-dúzia de doidos das ruas de Toronto. Depois de obrigatoriamente usar a Estação da Luz em Sampa e andar no meio de parte dos mais de 6 mil drogados da cracolândia ou de ter dado um perdido na Favela do Heliópolis ou de comer camarão em Brasília Teimosa em Recife fica um pouco difícil falar em falta de segurança em Toronto.

Então, sim, Toronto é segura, conforme classificações em rankings mundiais das cidades mais seguras do mundo… ou nem tanto. Ganha em segurança de cidades norte-americanas e inglesas. Perde da cidade do Quebec, que dá dó. Esta última está coladinha no ranking com Basileia, na Suíça. Mas “bah tchê” se tu vens de uma cidade pequeninha…

Rolex Store at Bloor Street - Loja de rua da Rolex - Photo: Gisele Rego
Rolex Store at Bloor Street – Loja de rua da Rolex – Photo: Gisele Rego

“Toronto é mais segura que Montreal?”

Imigrante é imigrante, não nasceu aqui, mesmo conquistando a dita cidadania, é imigrante. Então, meus caros futuros cidadãos moradores ou turistas de Toronto, vocês serão imigrantes ou  residentes temporários também e não fazem parte de nenhuma família real. Uns são mais bem-educados, outros são mais mal-educados, é fato. Isso vale para todas as outras nacionalidades que compõem Toronto. Sim, são muitas, dá até uma preguiça de falar.

Então, em nível de Canadá, Toronto pode ser “menos” segura.  Falar da segurança de Toronto comparando com Montreal é outra piada, pois essa cidade tem 1 milhão de habitantes a menos que Toronto. Sim, Montreal, pelos rankings é mais segura do que Toronto. Não é achismo.

Mas vale lembrar: quem ainda é bem jovem e vem de cidade pequena do Brasil NÃO vacile. Toronto tem gente boa e gente ruim. Muita gente que se aproveita de sua ingenuidade de turista ou de imigrante em potencial.

Já me devolveram celular perdido, acreditem, duas vezes. Fui lá no Lost and Found do TTC (a companhia de transporte de Toronto), depois de uma semana e voilá. Já encontrei até bolsa esquecida, mas isso é vacilo. A carteira caiu sem eu perceber no street car, um moço achou e entregou para um terceiro que rapidamente entregou para mim quando disse que era minha.

Gente tentando roubar na cara dura nunca vi. Trombadinha em ônibus ou nas ruas, nunca vi. Não tenho medo de tirar dinheiro em caixa eletrônico, mas evito fazer isso à noite, sozinha. Assalto à mão armada, só ouvi falar em noticiário, mas é raro, é coisa para ficar um ano na TV. Nunca ouvi de ninguém conhecido. Carro roubado já ouvi sim, de vizinho, encontrado depois. Segundo o dono do carro que mora aqui há quarenta anos, isso nunca tinha acontecido.

“Mas vi no noticiário…”

Aumentaram os casos de violência, de fato, nos últimos tempos, uma pena. Mas todo mundo anda com seus celulares e MACs em tudo quanto é lugar em Toronto. Mesmo assim você não vai dar mole e deixá-los por aí, né? Vivo sendo chamada a atenção por canadenses por esquecer backpack completamente aberta. Sim, é vacilo meu também.

Em piscinas e clubes, não confie muito nos lockers, você pode dar o azar, pois roubam armários. Não é sempre, nem todo o santo dia. Você é mulher, em lugar completamente deserto de madrugada, “tipo” estrada, pontos de ônibus, não se distraia com celular, não descuide do entorno, mas não precisa ficar apavorada.

Não traga o medo que se tem no Brasil na mala, larga ele no aeroporto ao embarcar no avião. Ah, tem medo de avião? Então larga o medo no Toronto Pearson International Airport ao desembarcar. Mas não dê bobeira. Não acredite que vão devolver dinheiro emprestado ou que você vai ter os dólares que comprou de desconhecido pelo “uászapi” ou que o cidadão com quem você vai dividir apartamento ou basement é 100% confiável ou que o famoso desconhecido vai conseguir para você o tão sonhado “visto de trabalho” pela bagatela de Xs dólares depositados na conta lá de Brasília. Cai na real, cidade com 2 milhões de habitantes não se pode vacilar.

Gisele Rego – É tradutora, membro da associação de tradutores de New Brunswick, CTINB (Corporation des traducteurs, traductrices, terminologues et interprètes du Nouveau-Brunswick, Canadá) e revisora com mais de 20 anos de experiência nas áreas de localização de software, tradução jurídica, revisão editorial e acadêmica e normas ABNT. Foi corretora do Enem e Fuvest por mais de 15 anos. Revisora da publicação “Justice Yearbook Who’s Who of Brazilian High Courts” (Anuário da Justiça brasileira) e do estudo para o Ministério da Justiça, “Homicídios de Crianças e Adolescentes no Brasil” do Centro de Estudos da Violência da NEV / USP. Atualmente, mora em Toronto, Canadá.

Compartilhe!

3 Comments

  1. Eusiel Rego

    Bons toques! informa e desmistifica pra quem está longe e não conhece ainda e leva à reflexão quem está mais perto. O texto é um bom exemplo de “Allegro ma non troppo”!

  2. Pingback: ECA, validação de diploma ou equivalência de diploma no Canadá - parte 1 | Istarion

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *